The locals, the tea and the quality time

Hi, I’ve updated the post with photos from each day and a Portuguese translation :D

October 28 | Day 1 in the village: My host family’s house is still under construction. After losing everything they owned in last years flooding, they had to start from scratch. So today, as I moved in, so did my host brother, sister and her brother in law who were all living elsewhere. We are starting our new lives together. Here, time really is people, and on my first night alone, I hung out with my host family for seven hours straight! We were together the second I arrived, at 19 o’clock, until the moment I went to bed at 2 in the morning. We hung out as they prepared dinner in the living room, and on the rooftop afterwards as they made me ataaya tea. We talked for hours, which made me feel included from the get go, and the host siblings made sure I had everything I needed before going to bed.

28 de outubro | Dia 1 na vila: A casa da minha família ainda está em construção. Depois de perdertudo o que possuíam nas inundações do ano passado, eles tiveram que começar do zero. Então, hoje, quando eu cheguei na casa, o meu irmão, irmã e cunhado, tinham acabado se mudar para a casa também. Estamos começando a nossa nova vida juntos. Aqui, o tempo não é dinheiro, o tempo é para as pessoas, e na minha primeira noite, eu passe sete horas seguidas conversando com a minha família! Estávamos juntos do momento em que eu cheguei, às 19 horas, até o momento em que eu fui para a cama às 2 da manhã. Nós estamos juntos enquanto preparam o jantar na sala de estar, e no telhado depois enquanto preparam o chá ataaya. Conversamos por horas, o que me fez sentir incluído logo no começo, e os meus irmãos fizeram de tudo para que eu tivesse uma estadia positiva.

October 29 | Day 2 in the village: Pretty much all Senegalese phones have flashlights, and it didn’t take me long to understand why. Electricity goes out often, within my first two days in the village, it had already happened three times – it even lasted 24 hours once. Nobody minds it, they already have their flashlights in hand and they keep doing their own thing like nothing happened. There was an accident near the next big town, Kaolack, which brought the energy down, and because of that, there is no water either. But it’s all temporary and soon I’ll be able to take showers again.

29 de outubro | Dia 2 na vila: Praticamente todos os celulares senegaleses têm lanternas neles, e não demorou muito para entender o porquê. A eletricidade vai embora constantemente, nos meus dois primeiros dias na vila, ela foi embora duas vezes – chegando a durar 24 horas uma vez. Mas ninguem se importa, eles já têm suas lanternas em mãos e continuam o que estavam fazendo, como se nada tivesse acontecido. Pelo que eu escutei, houve um acidente perto da próxima cidade grande, Kaolack, que fez com que a energia acabasse, e por causa disso, não existe água também. Mas é tudo temporário e em breve eu vou ser capaz de tomar banho novamente.

October 30 | Day 3 in the village: After dinner I prepared and served my host family some Brazilian garlic tea, accompanied by a peanut butter sweet and some candy made from banana and sugar – both from Brazil. They loved it all! When my host mom saw a photo of me and my sisters from 2010 she didn’t recognize me. “You looked thinner then, your face is much rounder now. It’s good to have a bigger belly. That’s how the Senegalese like it,” she said. She fed me chicken for breakfast and deep fried batter for dessert.

30 de outubro | Dia 3 na vila: Depois do jantar, eu preparei e servi para a minha família Senegalesa um pouco de chá de alho brasileiro, acompanhado de paçoquinha e doce de banana. Eles adoraram tudo! Quando minha mãe Senegalesa viu uma foto minha com minhas irmãs de 2010, ela não me reconheceu. “Você parecia mais magro, o seu rosto é muito redondo agora. É bom ter uma barriga maior. É assim que os senegalês gostam”, ela disse, enquanto preparava frango e para o almoço e bolinho de chuva para a sobremesa.

October 31 | Day 4 in the village: Sokone has more bugs than anything else. A tiny, yet loud cricket woke me up at 4 in the morning. I chased it down for half an hour before I killed him mercilessly. Thank goodness the power wasn’t out. For the third day in a roll I woke up with mosquitoes inside my mosquito net. Positive thinking, see you later. Malaria, here I come. Today I also bought my first chicken (Sokhna Amy), and finally met my host dad, who is not the father of any of my host siblings. He said he would  gojogging with me. We have avoided each other ever since, neither of us really wants to do it.

31 de outubro | Dia 4 na vila: Sokone tem mais insetos que tudo. Um pequeno, mas barulhento gafanhoto me acordou hoje às 4 da manhã. Eu o persegui por meia hora antes de matá-lo sem piedade. Ainda bem que tinha eletricidade. E pelo terceiro dia seguido, eu acordei com pernilongos dentro do meu mosquiteiro. Até mais pensamento positivo. Malária, aqui vou eu. Hoje eu também comprei o meu primeiro frango (Sokhna Amy) e, finalmente conheci o meu pai Senegales, que não é o pai de nenhum de meus irmãos anfitriões. Ele disse que ia correr comigo, e se exercitar. Temos evitado um ao outro desde então, nenhum de nós realmente quer fazer isso.

November 1 | Day 5 in the village: Everyone here is very friendly, more than those in Dakar without a doubt. Everyone I have met has invited me to come over to their house and drink tea with them, and I always tell them I would love to. However, during my first meeting with the mayor he advised me not to be too talkative to the locals, otherwise they will never let me be. I’m not sure what he meant, he just doesn’t want everyone to know too much about me and about my life, because it could create problems – as a toubab (white-ish person) they may expect things from me. Apart from that strange advice, things have been going great. The pace of life in the town is very different from that one of Dakar, and I am loving the village life.

1 de novembro | Dia 5 na vila: Todo mundo aqui é muito amigável, mais do que em Dakar, sem dúvida. Todo mundo que eu encontrei me convidou para ir até sua casa e beber chá com eles, e eu sempre digo que eu adoraria. No entanto, durante minha primeira reunião com o prefeito, ele me aconselhou a não falar muito com os moradores, caso contrário, eles nunca me deixariam em paz. Eu não sei o que ele quis dizer, mas ele não quer que as pessoas saibam muito sobre mim e sobre a minha vida, porque isso poderia criar problemas – como um toubab (pessoa branca) as pessoas sempre esperam algo de mim, sendo dinheiro ou presentes. Apesar desse conselho estranho, as coisas estão indo muito bem. O ritmo de vida na vila é muito diferente do de Dakar, e eu estou amando a vida aqui.

November 2 | Day 6 in the village: Today I bought my second chicken, but Sokhna Amy – my chicken, not my sister – wasn’t accompanied for long, we ate the recently purchased chicken + three others for lunch and dinner. Like every other night, my host siblings and I hang out in the living room before, during and after the meals, and on the rooftop with their friends before going to bed – every night we prepare the three or even four rounds of ataaya, which takes at least a couple hours. That is something I had never done in Dakar, where people aren’t as patient, not those I encountered anyway. And this is what I call spending quality time with the host siblings, I can cross that one of my To-Do list.

2 de novembro | Dia 6 na vila: Hoje eu comprei o meu segundo frango, mas Sokhna Amy – a minha galinha, não a minha irmã – não teve compania por muito tempo, nós comemos o frango e outros três no almoço e jantar. Como qualquer outra noite, meus irmãos e eu socializamos na sala de estar antes, durante e depois as refeições, e no terrace com seus amigos antes de ir para a cama – todas as noites nós preparamos três ou até mesmo quatro rodadas de cha ataaya, que leva pelo menos duas horas. Isso é algo que eu nunca tinha feito em Dakar, onde as pessoas não são tão pacientes. E é isso que eu chamo de passar tempo de qualidade com os irmãos, posso marcar como feito na minha lista de coisas a fazer.

November 3 | Day 7 in the village: I love Sundays, who doesn’t? Today was my third day in a row taking a siesta after lunch and swimming on the mangroves just before the sunset. Can someone explain to me if that is a river or the ocean? The water is not completely fresh or entirely salty. For dinner we had delicious lakh, a platter of millet and warm fermented milk. I don’t understand why they don’t just call it yogurt and cereal, and admit they are having breakfast for dinner. Which I love by the way! Brings me back to the Petrie+Furer residence, where we often had eggs, bacon and potatoes for dinner. Except here they don’t eat lakh for breakfast here, it’s actually a traditional Sunday night dish.

3 de novembro | Dia 7 na vila: Eu amo domingos, quem não? Hoje foi meu terceiro dia consecutivo que eu dormi a siesta depois do almoço e nadei nos manguezais na hora do por do sol. Alguém pode me explicar se aquilo é rio ou mar? A água não é completamente salgada e nem é doce. Para o jantar, comemos um prato tipico chamado lakh, um tipo de milho e leite morno fermentado. Eu não entendo por que eles não apenas chamam isso de iogurte e cereais, e admitem que eles estão tomando café da manhã no jantar. O que eu amo por sinal! é como na minha casa nos Estados Unidos, quando comemos ovos, bacon e panquecas para o jantar. Mas aqui eles não comem lakh no café da manhã, é um especiaria servida nas noites de domingo.

November 4 | Day 8 in the village: My host mom noticed I like to drink my breakfast tea on the big cup, so when she went the Kaolack she brought me back an even bigger cup. My host sister was jealous and said she would try to get to it before me every morning. She hasn’t succeeded yet! Speaking of the devil. Her name is Sokhna Amy, but I nicknamed her Diamond (that’s the ringtone on her her phone). When I bought my first chicken in Sokone, I named it after her. So every time she lays an egg – my chicken, not my sister – I run around the house announcing: “Sokhna Amy laid an egg, Sokhna Amy laid an egg” (“Sokhna Amy a pondu des oeuf, Sokhna Amy a pondu des oeuf”) We all love it and laugh about, except Sokhna Amy – my sister, not my chicken. It’s actually less confusing then you may think.

4 de novembro | Dia 8 na vila: Minha mãe senegalesa percebeu que eu gosto de tomar o meu chá pela manhã numa xicara grande, então quando ela foi a Kaolack (a cidade grande mais proxima) ela me trouxe uma xicara ainda maior. Minha irmã ficou com ciúmes e disse que iriatentar usar a xicara antes de mim todas as manhãs. Ela não conseguiu ainda! Falando do diabo. O nome dela é Sokhna Amy, mas eu dei o apelido pra ela de Diamond (Diamante, uma musica que é o toque no telefone dela). Quando eu comprei a minha primeira galinha em Sokone, eu dei o nome da minha irmã pra ela. Assim, cada vez que ela põe um ovo – a minha galinha, não a minha irmã – Eu corro em casa anunciando: “Sokhna Amy botou um ovo, Sokhna Amy botou um ovo” (“Sokhna Amy a pondu des oeuf, Sokhna Amy a pondu des oeuf “) Todo mundo na casa ama, e ri, exceto Sokhna Amy – a minha irmã, não a minha galinha. Na verdade, é menos confuse que você imagina.

November 5 | Day 9 in the village: This morning I tried baking some traditional cheese bread from my home state in Brazil. When I say try, I really mean failed. I burnt the first batch and the second one didn’t rise because I let the dough sit for too long. It takes time to scrape off burnt cheese from a tray. However, I got to used the eggs that Sokhna Amy – my chicken, not my sister – had laid the day before. Either way, my host mom absolutely loved it , and said she may like it just as much as I like chicken. By now I have seen every pair of breasts around the house. Happy to see that they are not over sexualized here like they are in the United States.

5 de novembro | Dia 9 na vila: Esta manhã eu tentei assar pão de queijo. Quando eu digo tentar, eu quero dizer que não sai muito bem. Eu queimei a primeira bandeija e a segunda não cresceu porque eu deixe a massa descansar por muito tempo. Levou tempo para raspar o queijo queimado da bandeja. No entanto, eu tive a chance de usar os ovos que Sokhna Amy – a minha galinha, não a minha irmã – botou ontem. De qualquer maneira, minha mãe senegalesa absolutamente amou o pão de queijo, e disse que ela gosta tanto quanto eu gosto de frango. Desde que me mudei pra ca eu ja vi os peitos de todas as mulheres da casa, ninguem tem vergonha. Interessante ver que os seios não são super sexualizados aqui como em outras partes do mundo.

November 6 | Day 10 in the village: In my ten days here I’ve never slept past 8am and never went to bed before 2 in the morning. For some reason I can’t sleep in, I’m always up with the cock singing and the men hammering away outside my window. On the bright side, I can go to the bakery and buy a warm local baguette (the tapalapa) for $100 FCFA ($0,20 USD), and it takes me less than a minute to walk there. This morning, for some odd reason, they were out of bread when I arrived. But Billy – who has given me 2 complimentary baguettes before, simply because we are bros – pulled some strings and got me my morning tapalapa. Being a toubab has it’s advantages sometimes! Now, even more exciting than warm bread, is the fact that I got a new job. I also stopped using toilet paper, I was hoping this would make the news, but so many more thrilling things happened today. Still, I wanted y’all to know I’m adapting well. This Brazilian is Sokonoise already. Their words, not mine. I also got a new job.

6 de novembro | Dia 10 na vila: Em meus dez dias aqui eu nunca dormi depois das 8 da manhã e nunca fui para a cama antes das 2. Por alguma razão, eu não consigo dormir até tarde, nem nos fins de semana, eu acordo sempre com o galo cantando e os pedreiros martelando na minha janela. Pelo lado positivo, isso me da achance de ir até a padaria e comprar uma baguete local (tapalapa) ainda quente por US $ 100 FCFA (40 centavos), e leva menos de um minuto para caminhar até lá. Esta manhã, por algum motivo, o pão ja tinha acabado quando eu cheguei. Mas Billy – que trabalha la e ja me deu dois baguetes de cortesia antes, simplesmente porque somos “irmãos” – deu um jeitinho e achou um tapalapa pra mim. As vezes, ser um toubab tem suas vantagens! Agora, ainda mais emocionante do que o pão quente, é o fato de que eu tenho um novo emprego. Eu também parei de usar papel higiênico, eu estava esperando que isso viraria notícia, mas tantas coisas mais emocionantes aconteceram hoje. Ainda assim, eu queria que vocês soubessem que eu estou me adaptando bem. Esse Brasileiro ja virou Sokonoise (cidadão de Sokone). Palavras deles, não minhas. E eu também tenho um novo emprego.

Fine, I’ll admit: I love being an intern in Senegal. Sokone already has a special place in my heart. You know what they say: live in New York City once, but leave before it makes you hard. Live in Sokone once, but leave before it makes you soft.

Tudo bem, eu admito: eu amo ser um estagiário no Senegal. Sokone já tem um lugar especial no meu coração. Você sabe o que dizem: More uma vez em Nova York, mas vá embora antes de endurecer. More uma vez em Sokone, mas se mande antes de amolecer. Viaje.

About these ads

10 thoughts on “The locals, the tea and the quality time

  1. Michele Borges says:

    Amei o texto Marcos! A riqueza de detalhes em suas palavras me fez viajar por esse país. Parabéns e beijos!

  2. Zelia Mendonça Baiao says:

    Voce como sempre nos surpreende com suas palavras e ações. Aproveite muito tudo isso pq sao poucas as pessoas que podem viver tudo que esta vivendo. Te amo muito meu querido.gd.bj para sua familia ai.

  3. Candida Olavo says:

    Tudo que estás vivendo é muito lindo…guardado no coração e na alma, um dia quando for um ancião ao lado sua anciã … podes contar para seus netos bisnetos… coisa lindas….tristes… alegres…experiencias vividas …eles vão se orgulhar de vc. rsrrrsr Bom acho que é saudades,orgulho me sinto vitoriosa com vc bjsss!!!!

  4. Zilene Mendonça says:

    Que lindo Marcos. Realmente qto menos recursos financeiros mais valor as pessoas tem.

  5. bmdusek says:

    Body parts, chicken parts, a new job and a new cup – who could ask for more, ha!

    Barb Dusek CorSpective – On a mission to see managers enjoy leading their employees http://www.corspective.com 612-269-3731 (c)

    >

  6. Anonymous says:

    Sensacional!

  7. Lucas says:

    Sensacional Marcos!

  8. mamae says:

    Marcos fico muito orgulhosa de voce meu Reizinho, fico feliz dimais em ver o carinho que voce tem com seus irmaos senegaleses, com seus pais e com a vila, as vezes fico ate com ciumeskkkkkkkkkkk.
    Fico muito feliz por voce e sei que se voce pudesse vc faria muito por esse povo.
    Amo voce do tamanho do mundo.
    Amo voce bjs mamae

  9. short accounts, but so funny!

  10. Alyne says:

    Sensacional Marcos! é lindo o modo que você vê o mundo e consegue transcrever. Cada detalhe e a beleza das coisas simples!! parabéns.

Take your time writing a comment

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

Follow

Get every new post delivered to your Inbox.

Join 3,149 other followers

%d bloggers like this: